Biden diz que apoio militar direto na Ucrânia 'seria a Terceira Guerra Mundial'

O governo americano de Biden está fazendo todos os esforços para evitar a situação em que os EUA são forçados a intervir na intervenção militar pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Além de se recusar a fornecer combatentes, a Rússia continua ambígua quanto à retaliação pelo uso de armas de destruição em massa. Para evitar que se espalhe para os Estados Unidos e Europa e se transforme na "Terceira Guerra Mundial" (presidente dos EUA Joe Biden), ataques indiscriminados contra cidadãos são urgentemente urgentes. "Não se deixe enganar. Se o pessoal dos EUA enviar equipamentos ofensivos, é a Terceira Guerra Mundial." Biden alertou um membro da Câmara dos Deputados em uma reunião do Partido Democrata no dia 11. Ele reiterou que "os Estados Unidos não vão lutar a guerra na Ucrânia" em um comunicado baseado no fato de que há vozes dentro do partido apoiando o fornecimento de combatentes à Ucrânia. Com relação à resposta da Rússia ao uso de armas químicas, Biden apenas afirmou que "pagaria um preço alto" e não mencionou medidas específicas. Um porta-voz do presidente Saki apontou a possibilidade de uso pela Rússia em entrevista coletiva no dia 10, mas ficou confuso quando perguntado se era a "linha vermelha" dos Estados Unidos. O governo Biden tem um forte trauma com a palavra "linha vermelha". Isso ocorre porque o ex-presidente Obama perdeu credibilidade internacional porque não agiu militarmente ao declarar o uso de armas químicas pelo governo Assad na guerra civil síria como uma "linha vermelha". Funcionários de alto escalão do governo naquela época se sobrepunham à face do atual governo. O método do governo Biden de levar a Rússia a um "bloqueio econômico" com sanções sem intervenção militar até agora tem sido favorecido pelo povo americano. No entanto, existe a possibilidade de que a opinião pública fique insatisfeita com o fato de a resposta ser "insuficiente" devido aos relatos diários de miséria do campo sem mostrar medidas efetivas para dissuadir a Rússia. O Wall Street Journal informou no dia 10 que os EUA e a Europa estão considerando fornecer armas mais defensivas, como sistemas de mísseis terra-ar. Os Estados Unidos estão buscando uma linha de última hora para fortalecer o apoio às tropas ucranianas, evitando estímulos à Rússia.

Biden diz que apoio militar direto na Ucrânia 'seria a Terceira Guerra Mundial'