A exportação brasileira de café bateu um novo recorde ao totalizar 45,6 milhões de sacas em 2020/21

A exportação brasileira de café bateu um novo recorde ao totalizar 45,6 milhões de sacas em 2020/21, alta de 13,3% em relação à temporada anterior e de 10,1% sobre os 41,426 milhões vistos na última máxima histórica, em 2018/19, disse hoje (12) o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil). Outro recorde foi registrado nas exportações de café robusta, que envolveram 4,7 milhões de sacas exportadas, com representatividade de 10,3%, mostraram os dados do conselho. Segundo o Cecafé, o recorde reflete a safra positiva de 2020/21, com bom volume e qualidade, além da “eficiência comercial e logística dos exportadores.” No ano passado, a colheita do Brasil, maior produtor global de café, atingiu máximas históricas tanto para o arábica quanto para o robusta. “[Os profissionais de logística] redobraram esforços durante a pandemia para honrar os compromissos diante dos entraves logísticos, potencializados pela expressiva alta nos custos dos fretes, consequentes e sucessivos cancelamentos de bookings e dificuldade de novos agendamentos”, disse em nota o presidente do Cecafé, Nicolas Rueda. Em termos de receita, as exportações de café somaram US$ 5,842 bilhões na safra 2020/21, o maior patamar em cinco anos, com aumento de 13,4% na comparação anual.

A exportação brasileira de café bateu um novo recorde ao totalizar 45,6 milhões de sacas em 2020/21